domingo, 30 de outubro de 2016

DIARIO DE VIAGEM



Poiesis

Cantam aves,
Range a rede,
Ventam ventos
Verdes,
Balançando
Os sinos
De bronze
Pendurados
Na viga
Do telhado,
E esse som
Sagrado,
Misturado à brisa
Sobre a face,
Faz-se enfim
Linguagem,
E traduz-se
Em prece,
Nesses
Versos livres.


terça-feira, 4 de outubro de 2016




Orla Bardot


No meio do caminho tinha uma gaivota. Voava plácida, circundando os mastros dos barcos ancorados à baía por onde passou, certa vez, o furacão Bardot, deixando sua marca indelével eternizada na escultura de pedra, encrustada às margens úmidas da enseada.

Reza a lenda ter a atriz vivenciado ali um grande amor, paixão improvável entre musa e pescador, cujas redes bem-aventuradas em lugar de peixes, trouxera a sereia, saída das telas do cinema para as brancas areias de Iemanjá.

Armação de Búzios cresceu, quase engolida pela fúria imobiliária, pelo fantasma do declínio que corrói o tempo e engole a ilusão, como ensina o ciclo da vida em rotação, mas a Orla Bardot mantém a aura, um ar etéreo de eternidade, suave torpor impregnado no balanço dos barcos ancorados, na névoa do tempo chuvoso de setembro.

Sentar-se com a musa e sonhar com a febre de outros tempos, fechar os olhos, deixar-se estar...